Início
O uso da tecnologia permite laticínios no deserto PDF Imprimir E-mail
Seg, 29 de Outubro de 2012 12:31

 

A Almarai Co de Riade, Arábia Saudita grande produtor de leite e derivados, com 135.000 vacas e produção mínima de 40 kg/dia vaca, produz sob condições adversas a pecuária leiteira.

253173_511294108882899_2012979238_n

 

Cliente da Tradeagro/Agrocape, empresa brasileira que exporta para a Arábia Saudita, Almarai Co de Riade consome cerca de 400.000 de tons de alfafa por ano, para garantir esta produção de excelência.

feno_e_pelltes

 

No deserto da Arábia Saudita, ao norte da capital saudita, sob um calor de 47 graus apenas os camelos permanecem impávidos ao sol do meio-dia. Seus pastores não estão à vista, refugiados em tendas próximas.


almarai-farm

Qualquer técnico do setor iria dizer que é um lugar não adequado para uma fazenda leiteira. Mas, num trecho plano de deserto há as fazendas de bovinos de leite e as usinas de processamento da maior produtora de laticínios do Oriente Médio.

Conseguir que uma fazenda leiteira tenha sucesso em um dos lugares mais quentes do planeta - onde, sob condições ambientais não controladas, a produção de leite iria despencar, os produtos estragariam e bactérias nocivas se proliferam - exige levar à tecnologia ao limite, como descrevem os gerentes da Almarai e os especialistas americanos do ramo.

Nas sombras dos galpões, com lanternins acima, e sob um sistema de free stall, 67.000 vacas de origem holandesa, preto e branco, pertencentes à empresa saudita Almarai Co., circulam livremente pelo galpão, alimentam-se e ruminam tranquilamente, de modo a nem perceberem que estão fora de seu ambiente preconizado de baixas temperaturas.

68389_514585158553794_698826848_n

As vacas holandesas são, por natureza, vacas leiteiras de alta produtividade. Mas fazer com que continuem produzindo, quando a temperatura chega a 48◦C  no verão, implica em mantê-las frescas, confortáveis e limpas. Somente automatizando, cada momento da produção, é que a Almarai consegue operar uma das maiores fazendas leiteiras do mundo - com um total de 135.000 cabeças, incluindo as bezerras e novilhas – sob um deserto cheio de palmeiras, mas sem nenhuma pastagem.



"Vacas felizes, leite feliz, Almarai feliz. Todo mundo feliz", cantarolou Cicero Chan, subgerente de uma das seis fazendas leiteiras, em torno da planta de processamento da Almarai, enquanto percorria os currais e salas de ordenha.

Nos currais, há sistemas de aspersão, ventiladores e as sombras dos galpões refrescam as vacas, baixando a temperatura para a faixa desejada entre  21 a 24◦C, dentro da zona de conforme para a raça. E, quatro vezes por dia, antes de cada ordenha, os animais passam por jatos d'água, para limpá-los dos dejetos e de qualquer outro resíduo que possa contaminar o leite.

As vacas leiteiras da Almarai devem cumprir uma quota de pelo menos 40 litros por dia, uma produção normal para a raça, que normalmente produzem o dobro de leite do gado Jersey, preferido pelas fazendas leiteiras da Europa.

Em uma das salas de ordenha da Almarai, o gado leiteiro e os empregados trabalham tranquilamente numa rotina em que 50 vacas entram em fila, são ordenhadas e saem em  15 minutos. As vacas se acomodam, espontaneamente, nas ordenhadeiras, fazendo fila lado a lado. Finalizada a entrada, os funcionários acionam os medidores digitais para registrar a produção de cada vaca, e braços robóticos levantam as teteiras, que são então conectadas pelos funcionários. O leite é transportado direto para os tanques de  refrigeração, que o fazem com que o leite seja resfriado a cerca de 4◦C, num prazo de cinco minutos.

2090975606_b6b4e25428

Os animais para produzirem adequadamente devem estar na sua zona de conforto, ou seja, sem estresse, em conformidade com as boas práticas agropecuárias, com foco especial no Bem Estar Animal e uma alimentação adequada, atendendo às suas necessidades de produção, além de cumprir requisitos de saúde animal. Assim, a seleção dos alimentos, aliados aos fatores ideais de manejo, proporcionam que, mesmo no deserto, sob as condições menos propícias para a produção de leite, a Almarai consegue atingir índices preconizados de produção de leite, ainda que nas adversas condições ambientais para produção de leite.

A Almarai afirma ser a maior produtora de laticínios, integrada verticalmente, do mundo. Isso significa que ela supervisiona cada etapa do negócio, até o contato com algum dono de loja que pode desejar desligar os refrigeradores à noite para economizar dinheiro, diz Alan Bennett, gerente de fábrica da Almarai. No ano passado, a empresa gerou US$ 304 milhões em lucro líquido e US$ 2,1 bilhões em vendas.


Agrocape. Adaptada de Valor Econômico e The Wall Street Journal

Última atualização em Qui, 21 de Fevereiro de 2013 17:32
 


Another articles:

Powered By relatedArticle

CeresQualidade.com.br | Powered by Joomla!