Início
Bem-vindo!
Leite A2A2 PDF Imprimir E-mail
Seg, 02 de Janeiro de 2017 10:38

O “leite A2A2”, como já relatado, compreende o leite que foi produzido exclusivamente por vacas que somente possuem genoma que fazem com que elas somente produzam leite com a βcaseína A2. Animais que são considerados A2A1 ou A1A1 excretam no leite a βcaseína A1. Esta que, recentemente, foi identificada como a causadora dos problemas de alergias ou intolerância ao leite. Assim, animais que sejam homozigóticos para este gene, ou seja só possuem o A2, não produzem em seu leite a causadora das alergias e intolerâncias encontradas em diversas pessoas.

A identificação é realizada somente por meio de testes de genoma nos animais. Pelo leite em si, ainda não se descobriu um teste que realize esta segregação e não há alterações visíveis no leite, ou elas ainda não foram identificadas, para que possa segregar na indústria.

 

Última atualização em Seg, 02 de Janeiro de 2017 10:41
Leia mais...
 
Publicação de novas normas da produção integrada. PI Brasil PDF Imprimir E-mail
Ter, 08 de Novembro de 2016 18:46

Amanhã, dia 09 de novembro, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento anuncia por meio do Plano Agro+, a edição de instrução normativa com as Normas Técnicas Específicas (NTE) para mais 13 culturas agrícolas. Com isso, os agricultores poderão aderir, de modo voluntário, às NTE, passando a cultivar de acordo com a Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil), voltada à sustentabilidade.

 

A Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil) está focada na adequação de sistemas produtivos para geração de alimentos e outros produtos agropecuários de alta qualidade e seguros, mediante a aplicação de recursos naturais e regulação de mecanismos para a substituição de insumos poluentes, garantindo a sustentabilidade e viabilizando a rastreabilidade da produção agropecuária.

Última atualização em Ter, 08 de Novembro de 2016 18:48
Leia mais...
 
McDonald's pretende aumentar controle sobre carnes PDF Imprimir E-mail
Ter, 13 de Setembro de 2016 10:31

A Arcos Dorados, empresa que administra a marca McDonald’s em 20 países da América Latina, divulgou o seu Relatório de Sustentabilidade e Impacto Social. O documento foi apresentado simultaneamente nos 20 países onde a empresa atua.

 

O relatório mostra o progresso da Arcos Dorados no último ano em relação aos desafios e objetivos para se tornar uma empresa cada vez mais sustentável e baseia-se em 5 pilares: Pessoas, Comunidade, Fornecedores, Produto e Planeta.

 

"Sustentabilidade é mais do que cumprir metas. É encontrar em tudo o que fazemos uma forma de minimizar os impactos no planeta. Algumas de nossas ações para alcançar esse objetivo são ter um café 100% sustentável nos diferentes mercados e trabalhar em conjunto com grupos de pecuária sustentável para ter uma carne 100% verificada. Hoje, também temos restaurantes com certificação LEED e em alguns mercados, como no Brasil, nossas embalagens são 100% certificadas”, afirma Sérgio Alonso, CEO da Arcos Dorados.

 

"O primeiro passo para ser uma empresa sustentável é ter um negócio que ofereça oportunidades para todos os seus empregados. Nós desenvolvemos programas para que todos os nossos funcionários da região tenham acesso a perspectivas de formação e de crescimento", acrescenta Alonso.

Última atualização em Ter, 13 de Setembro de 2016 10:46
Leia mais...
 
Produção integrada de suínos garante qualidade ao consumidor PDF Imprimir E-mail
Sex, 28 de Outubro de 2016 14:06

A cadeia da suinocultura revolucionou os sistemas de produção nos últimos anos. Antes a carne de porco era bastante valorizada pela sua gordura, pois era um meio eficiente de conservação, quando o resfriamento não era uma realidade em quase todas as residências. Hoje, após o uso do melhoramento genético, a carne suína possui um teor de gordura bem menor, e passou a ser vista como proteína de qualidade.

 

Segundo Roberta Züge, membro do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS) e médica veterinária da Ceres Qualidade Consultoria e Assessoria, essa transformação aconteceu ao longo dos anos. A demanda veio do próprio consumidor, que mudou os hábitos alimentares, até pela mudança do comportamento. Antes, o sedentarismo não era uma premissa. A população tinha uma demanda energética maior. Hoje precisamos de alimentos que nutram, mas não disponham de tantas calorias. Com isto, as entidades ligadas ao setor, desde pesquisa até organismos de classe, buscaram adequar a produção à demanda do mercado.

 

Última atualização em Sex, 28 de Outubro de 2016 14:11
Leia mais...
 
Implantação de autocontrole em indústrias de alimentos PDF Imprimir E-mail
Qui, 28 de Julho de 2016 13:58

A segurança, no que tange à qualidade dos alimentos processados, é de suma importância para que se possa dar garantias quanto à inocuidade em relação à saúde da população. Alcançando essa segurança, torna-se admissível a ampliação do mercado, proporcionando até mesmo galgar espaço para a exportação. Para se conseguir alimentos seguros e de qualidade, diversos fatores estão envolvido: a qualidade da matéria-prima, a arquitetura dos equipamentos e das instalações, as condições higiênicas do ambiente de trabalho, as técnicas de manipulação dos alimentos, a saúde dos funcionários. Assim, há necessidade de serem consideradas todas as ferramentas de qualidade que a legislação disponibiliza para a indústria alimentícia.

 

Ponto muito importante, é a indústria implantar e manter os programas que garantam os controles preventivos e corretivos, de modo a produzir alimentos que estejam em aderência aos requisitos legais pertinentes. Dentro destra premissa, há todo um arcabouço documental exigido pelos órgãos de fiscalização.

De modo geral, as enfermidades e perigos que podem ser veiculados em alimentos são mais impactantes em produtos de origem animal, que possuem características nutricionais muito importante para os humanos e diversos mamíferos. Com isto, os controles também são mais severos nestas cadeias, demandando mais esforções dos envolvidos.

 

Em relação às legislação todas as Indústrias produtoras de alimentos, fundadas antes de 2009, ganharam um prazo de dois anos para se adequarem ao Ofício Circular DILEI/CGI/DIPOA nº. 7, de 11 de Setembro de 2009, denominado pelo Ministério da Agricultura e Pecuária e Abastecimento (MAPA) como Programa de Autocontrole (PAC).

 

Última atualização em Qui, 28 de Julho de 2016 14:08
Leia mais...
 
« InícioAnterior12345678910PróximoFim »

Página 4 de 76.

Who's Online

Nós temos 97 visitantes online
CeresQualidade.com.br | Powered by Joomla! | Joomla hosting by SiteGround